Cidades | Greve

SET entra na justiça para impedir greve de rodoviários em São Luís

Categoria anunciou greve para o dia 21 de outubro, com o objetivo de melhorar a jornada de trabalho; na quinta-feira, 14, motoristas e cobradores da empresa Autoviária Matos pararam exigindo salário atrasado
Bárbara Lauria / O Estado15/10/2021
SET entra na justiça para impedir greve de rodoviários em São LuísParalisação de rodoviários, ontem, na frente da Autoviária Matos, por salários (Matheus Soares / O Estado)

São Luís – Rodoviários anunciaram na tarde da última quarta-feira, 13, após assembleia geral, greve prevista para ocorrer na próxima quinta-feira, 21, com o objetivo de melhorar a jornada de trabalho da classe. Contudo, o Sindicato das Empresas de Transporte (SET) está ingressando na Justiça do Trabalho para impedir a paralisação total e tentar manter, pelo menos, 80% dos serviços, para garantir a mobilidade urbana.

Motoristas, cobradores e fiscais de ônibus, que atuam no sistema de transporte público da capital, cobram do SET um reajuste salarial de 13%; jornada de trabalho de seis horas; tíquete de alimentação no valor de R$ 800,00; manutenção do plano de saúde e a inclusão de um dependente, além da concessão do auxílio-creche para trabalhadores com filhos menores.

Rodoviários e empresários já se encontraram, em dois momentos, para negociações, mas não houve avanço. A decisão da greve foi feita, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Estado do Maranhão (Sttrema), após uma Assembleia Geral que discutia as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho.

“Houve uma reunião, na semana passada para o debate das cláusulas econômicas, a qual não resultou em acordo entre as partes. A categoria exige reposição inflacionária integral e aumento nos benefícios. Mas, sem o apoio do governo federal e com o aumento vertiginoso dos combustíveis, item que representa 40% do custo, não temos nenhum espaço para tais ajustes”, explicou Paulo Pires, diretor executivo do SET.

O Estado entrou em contato com a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) para saber se vão ocorrer negociações com o setor, porém, não houve respostas até o fechamento desta edição.

Salário atrasado
Na manhã de ontem, 14, devido ao atraso no pagamento dos salários, motoristas e cobradores da empresa de ônibus Autoviária Matos, realizaram uma paralisação, em São Luís. O Sttrema informou que os profissionais só retornariam às atividades após a empresa regularizar o pagamento dos salários.

Os rodoviários se concentraram na porta da garagem da empresa, no bairro São Cristóvão, onde representantes do sindicato e da empresa também se encontraram, para tentar garantir o pagamento dos funcionários.

Empresários que estavam no local pediram um acordo com o sindicato para adiantar pelo menos o ticket de alimentação. Contudo, os manifestantes ressaltaram que os salários atrasam até três meses. “Tem gente que está com três pagamentos atrasados, outros estão com dois, e eles não estão tentando resolver. Estão tentando pagar apenas um mês de salário, apenas”, explicou uma funcionária, que não quis ser identificada.

Diálogo
A Câmara Municipal de São Luís deve discutir, nos próximos dias, a situação de greve dos trabalhadores em transporte rodoviário de São Luís.

O tema deverá ser levado ao plenário da Câmara Municipal, onde haverá discussão sobre as exigências dos rodoviários e a greve, que atingirá usuários do transporte público e São Luís.

SAIBA MAIS

Reclamação

Na manhã de ontem, 14, moradores do bairro Sá Viana não permitiram a saída dos ônibus do Consórcio Central, Retrans e Viação Estrela, que atendem a comunidade, do ponto final. De acordo com a população, o ato foi realizado devido a péssima condição de conservação do transporte e de atrasos que chegam a 50 minutos. Agentes da SMTT estiveram no local para tentar amenizar a situação. Moradores ressaltaram que o número de ônibus que atendem a linha foi reduzido de três para dois, o que não é suficiente para atender a demanda da região.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte