Economia | Entrevista - Marlene Costa, da Vale

"Miramos o desenvolvimento com gestão ambiental"

Executiva fala da importância e explica como o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, Usina de Pelotização e Terminal Ferroviário de Ponta da Madeira obtiveram o certificado ISO 14001
30/09/2021
"Miramos o desenvolvimento com gestão ambiental"Marlene Costa ressaltou a importância do reconhecimento para o estado e a economia da região (Divulgação)

São Luís - No mês de setembro, a Vale conquistou a certificação ISO 14001 para o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira (TMPM), além da Usina de Pelotização e o Terminal Ferroviário de Ponta da Madeira (TFPM). Trata-se de uma norma internacional que especifica os requisitos para a implementação de um sistema de gestão ambiental eficaz.

Até o fim de 2022, todas as unidades da empresa devem ser certificadas. O Estado conversou com a gerente de Meio Ambiente do Corredor Norte da empresa, Marlene Costa, sobre a importância desse reconhecimento para o estado e a economia da região.


Obter a certificação ISO 14001 exige organização de processos e metas definidas, com foco no meio ambiente. Quais requisitos precisam ser cumpridos? E como é feito esse reconhecimento?
A Vale, em compromisso com o desenvolvimento sustentável e a transparência em suas operações, assumiu a responsabilidade de passar por auditorias em todos os setores do Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, TFPM e Pelotização para comprovadamente demonstrar como a atuação da empresa é fundamentada na responsabilidade social e ambiental. Temos uma Política Interna de Meio Ambiente clara, acessível a todos os empregados. Nossos objetivos globais de sustentabilidade, mitigando os impactos das nossas operações e construindo um legado econômico, social e ambiental forte e positivo, faz parte da Agenda 2030 das Nações Unidas. Temos processos formalizados e organizados. Isso é fundamental.

O que ter a ISO 14001 significa para uma mineradora?
A certificação ISO 14001 proporciona um processo contínuo de aprimoramento da gestão ambiental, melhoria no controle de custos por meio da conservação de matérias-primas e energia, além de reconhecimento por parte dos nossos clientes, da comunidade e demais interessados. No âmbito das empresas, esse conceito foi traduzido por meio do tripé da sustentabilidade e corresponde aos resultados e são medidos em três dimensões: econômico, social e ambiental. É uma forma de cuidar do nosso planeta, reforçando a responsabilidade com as gerações futuras, além de conciliar preservação com produtividade, alcançando benefícios financeiros e operacionais.


Quais ações podem ilustrar essa atuação da Vale mais expressiva em relação à gestão ambiental e redução de impactos?
Recentemente, no mês de agosto, o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira recebeu o primeiro mineraleiro do mundo que utiliza a tecnologia air lubrication para reduzir as emissões de carbono na atmosfera. A tecnologia foi instalada no Sea Victoria, um Guaibamax com 325 mil toneladas de capacidade. Dez compressores instalados no convés do navio enviam ar até 20 dispositivos posicionados na parte debaixo do navio, que produzem um carpete de bolhas. A ação diminui o atrito do casco com a água, reduzindo o consumo de combustível e, consequentemente, as emissões, o que vai ajudar a Vale a diminuir ainda mais as emissões de gases do efeito estufa (GEE) na navegação. Em julho, chegou no Porto de Tubarão (ES) o primeiro mineraleiro do mundo equipado com velas rotativas (rotor sails), que chegou ao Brasil no fim do mês de julho. Em maio deste ano, foi trocada gasolina por etanol em toda a frota de veículos leves que presta serviço para a empresa. Em 2020, a companhia anunciou um investimento de pelo menos US$ 4 bilhões para reduzir em 33% suas emissões de Escopos 1 e 2, até 2030. A Vale também tem como meta ser carbono neutro até 2050.

Meio ambiente é um pilar do sistema ESG, que muitas empresas priorizam, principalmente por trazer mais transparência aos investidores. Como a Vale tem trabalhado dentro dessa perspectiva?
A avaliação e monitoramento de conformidades, visando ao atendimento de legislação aplicável à organização, reforça nosso valor de respeitar o planeta e as comunidades, em atendimento à agenda ESG. Isso traduz o propósito da Vale de melhorar a vida e transformar o futuro. Hoje, várias políticas demonstram esse cuidado: há definição de estratégia global e criação de planos específicos por país onde a Vale atua, reconhecendo as diferenças culturais; o processo seletivo de trainees é feito às cegas; em dezembro de 2019, a empresa estabeleceu a meta de dobrar o número de mulheres na sua força de trabalho de 13% para 26% até 2030. Chegamos em dezembro de 2020 com 16,3% de empregadas. Recentemente, foi lançada a segunda temporada da websérie “Mineração por Elas”, que destaca a atuação e pioneirismo das mulheres no mercado de trabalho. São contadas histórias de mulheres que fizeram e fazem história dentro da empresa, desbravando espaços antes bastante masculinos e pouco explorados pela mão-de-obra feminina. Esses são alguns exemplos da transformação cultural pela qual passamos e que nos torna melhores a cada dia.

Quais os próximos desafios dentro desse contexto de operar com responsabilidade no mercado, buscando o desenvolvimento sustentável?
Para a Vale, o desenvolvimento sustentável é alcançado quando seus negócios geram valor para seus acionistas e demais partes interessadas, apoiando o fortalecimento social, a manutenção e melhoria da saúde e segurança de seus trabalhadores e comunidades vizinhas, a responsabilidade ambiental e o desenvolvimento socioeconômico das regiões onde opera, por meio de uma gestão consciente e responsável. Esta é sempre nossa meta prioritária.


Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte