Cidades | Crítico

Banheiros públicos da área do Complexo Deodoro estão sujos e em estado repulsivo

Com dejetos no chão e nas pias, sujeira e odor pútrido, banheiros são alvo de reclamação de quem precisa usar o local; funcionários da Semosp afirmam que higienização do espaço só é feita quando solicitada
Bárbara Lauria / O Estado17/09/2021
Banheiro não tem fiscalização e permanece a maior parte do tempo sujo

São Luís – Em um dos pontos turísticos e comercial da cidade de São Luís, o mal cheiro e a sujeira se tornaram comuns. No Complexo Deodoro/Pantheon, revitalizado em 2018, comerciantes e pessoas que estão de passagem pelo espaço não conseguem usar o banheiro público do local, devido à falta de higiene e vigilância no local.

Com dejetos, lixo e absorventes usados jogados no chão, nas pias e em volta dos sanitários, o espaço se tornou um local insalubre, com forte odor e de difícil acesso. “Eu estou ‘apertada’, e queria ao menos lavar as mãos, mas não tem condição de entrar nesse banheiro. Vou ter que dar um jeito ou então procurar outro, mas esse banheiro eu não vou conseguir usar”, relatou a aposentada Maria Conceição, de passagem pelo local.

De acordo com os comerciantes que trabalham em volta do complexo, a sujeira no local é recorrente, pois não há frequência na limpeza dos banheiros, tampouco vigilância. “Aqui na praça tem muitos moradores de rua, e pela noite não há fiscalização, então, tudo fica sujo. Têm gente que faz suas necessidades no chão mesmo e não há ninguém para falar que não pode”, contou um comerciante, que não quis ser identificado.

Situação caótica de uma das cabines, com fezes no chão e vaso entupido

Na manhã de ontem (15), O Estado esteve no local e encontrou uma equipe da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) iniciando a limpeza dos banheiros feminino e masculino. Segundo os funcionários, a limpeza só é realizada no espaço quando há solicitação da população e o envio de ofício.

“Antigamente, tinha fiscalização aqui, o banheiro era fechado em determinado horário e todos os dias a Prefeitura vinha limpar, mas hoje em dia já não ocorre isso, então as pessoas usam o banheiro de qualquer jeito. À noite, principalmente, costuma ser pior, pois as pessoas em situação de rua usam e, como ele está fechado, elas fazem suas necessidades no chão mesmo”, comentou um funcionário da Blitz Urbana, que preferiu não ser identificado.

O Estado entrou em contato com a Prefeitura de São Luís questionando uma possível solução para a preservação do espaço público e a vigilância do local, contudo, não houve respostas até o fechamento desta edição.

Equipe da Semosp só faz limpeza no local quando solicitada

Revitalização
A reforma do Complexo Deodoro, foi realizada pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Maranhão (Iphan-MA) em parceria com Prefeitura de São Luís, e entregue em 22 de dezembro de 2018. Em pouco tempo a região se tornou uma das áreas mais visitadas na ilha, de fato, a obra trouxe diversas melhorias e um projetos urbanístico muito atraente, porém, a população não tem ajudado na preservação do local.

Os serviços de reforma do Complexo Deodoro contemplaram a colocação nova pavimentação em concreto lapidado; colocação de granito na área central e da grama nas áreas de canteiro, instalação de caramanchões - que é um dos pontos mais fotografado da obra – para proporcionar estética e sombreamento adequado ao ambiente; novo mobiliário urbano, com bancos e lixeiras; e nova configuração de iluminação pública.

O local também recebeu novos banheiros, bancos de pedra Lioz, áreas para recebimento de atividades diversas e de fiscalização; canteiros ajardinados, entre outros novos elementos arquitetônicos.

Pessoa em situação de rua

No Complexo

Em situação de vulnerabilidade, mulher dorme no chão, entre caixas de papelão, no Complexo Deodoro/Pantheon. Após a revitalização do espaço, a presença de pessoas em situação de rua se tornou comum em qualquer turno. Comerciantes da área afirmam que sujeira dos banheiros é maior por que muitos deles fazem suas necessidades no chão.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte