Oton Lima | COLUNA SOCIAL

Qual o melhor presente para São Luís?

04/09/2021

Na véspera dos 409 da capital maranhense, a coluna pediu para que quatro de suas musas nos dissessem qual o presente que elas gostariam de dar à Ilha na próxima quarta, 08. Todas,
vale frisar, são entusiastas da cidade e usam seus ofícios para de alguma forma impulsionar a autoestima da cidade.

Isabela Murad, arquiteta e empresária do Zé Pereira "Adoraria que São Luís ganhasse um espaço cultural dedicado à celebração dos nossos costumes, história, arte e gastronomia. Com uma proposta arquitetônica que aproximasse as pessoas, se tornando referência e grande atração turística, atraindo visitantes do mundo inteiro"
Patrícia Bello, empresária à frente da "Entre Nós" "No aniversário de São Luís gostaria de presentear nossa ilha com muita diversidade! Que ela seja palco de movimentos culturais, revoluções, onde todes se sintam representados e pulsantes! No aniversário de São Luís, nasce a nova Entrenós, no coração do Centro Histórico, propondo um espaço multicultural. Afinal, nossa ilha merece ter, cada vez mais, lugares que se conectem com a arte, moda, música e cultura."
Enme Paixão, rapper, cantora e compositora "O presente que São Luís precisa é reparação histórica. Que as nossas riquezas possam ser distribuídas de forma igualitária para aqueles que construíram toda a beleza que apreciamos hoje"
Áurea Maranhão, atriz Eu amaria ver as ruas cheias de gente, com shows de músicos da cidade e da nossa cultura popular celebrando a vida. Com apresentações de circo, performance, teatro e dança para todos gratuitamente. Estar vivo após uma pandemia é um presente. O desejo é celebrar a vida, os encontros, a arte e a cultura da nossa amada São Luís. Que pra mim é o melhor lugar do mundo

São Luís e eu

Estava lembrando aqui que já faz 25 anos que me mudei para São Luís. São dois terços da minha vida nesta cidade, que hoje até posso considerá-la como minha terra natal - embora eu traga Presidente Dutra dentro do coração.

Me apaixonei por São Luís antes mesmo de morar aqui. Desde a minha primeira visita, com poucos meses de vida, dá pra perceber a alegria estampada em meu rosto pelas fotos.

As férias na casa da minha bisa Zazá estão entre as melhores memórias da minha infância. Na época, ela morava na Rua de Santaninha, no Centro, pertinho do supermercado Confiança, de onde vinha um cheiro de pão irresistível que eu consigo me lembrar como se fosse agora. Passear pelo Centro era uma verdadeira diversão: ir a Mesbla, a Lobrás, a Pernambucanas... Foi no Cine Passeio a minha primeira vez no cinema. Inesquecível.

Mas nada se comparava a atravessar a ponte São Francisco por motivos de ir: 1) ao Tropical Shopping - como eu amava aquele lugar! - e 2) às praias (a minha preferida, a da Ponta D'areia, que era point nos anos 1990). São Luís era o lugar mais incrível do mundo pra mim.

Vir estudar aqui foi, sem dúvida, o momento mais decisivo da minha vida. Eu tinha só 12 anos e, já naquela ocasião, pude sentir que aqueles passos eram definitivos. Meus anos no Dom Bosco Renascença (na minha época o colégio era dividido em dois: o meu e o outro, no Centro) foram os mais efervescentes. Fiz minha base ali, literalmente. Depois veio a UFMA, o começo da minha juventude, as descobertas do mundo adulto, as noitadas... Como São Luís era frenética - ou será que era eu?

Até que comecei a trabalhar na Mirante. Imagina um jovem de 20 e poucos anos, sem diploma ainda, trabalhando no maior veículo de jornalismo do estado, realizando o sonho de trabalhar com comunicação? Foi a glória! Mas daí São Luís ficou pequena pra mim. De fato. Pois foi quando comecei a correr trecho pelo mundo e...

Achar que São Luís é provinciana, mal cuidada, desinteressante... Aquele clichê que é compartilhado por muita gente. Por arrogância ou desconhecimento, ou pelas duas coisas juntas - que era o meu caso, por exemplo.

Eu precisei sair daqui, visitar os lugares mais interessantes possíveis, para enxergar o real valor dessa Ilha, que, sim, é de muitos encantos. Foi só assim que compreendi a grandeza do nosso Centro Histórico. Pra mim, uma das nossas jóias mais preciosas. Se a água do nosso mar não é dessa ou daquela cor, leve em conta a disposição das nossas praias, amplas, com espaço pra meia cidade frequentar numa boa. E o que dizer do nosso pôr do Sol? Desconheço um matiz mais lindo. Isso sem contar na nossa cultura, gastronomia, e por aí vai.

Tem problemas? Inúmeros. Junto da vergonha na cara do poder público é necessário que as pessoas que aqui moram cultivem autoestima pela cidade. De que adianta reclamar se não faz sua parte? Como presente pra São Luís nestes 409 anos, eu desejo que as pessoas a valorizem, a compreendam e a desfrutem. São Luís é demais!

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte