Consumidor | Segurança virtual

Compra online é a atividade que mais oferece riscos à privacidade do consumidor

Especialista dá dicas para proteção de dados pessoais no ambiente virtual
28/07/2021 às 14h43
Compra online é a atividade que mais oferece riscos à privacidade do consumidor. (Reprodução)

São Paulo - Na medida em que a participação da internet na vida das pessoas se torna mais significativa, aumentam também os casos de golpes ou vazamentos no ambiente virtual. São muitas as atividades online que podem oferecer riscos à privacidade do internauta, mas segundo uma pesquisa da Federação Brasileira de Bancos, publicada em julho deste ano, o destaque são as compras. O levantamento aponta que 35% dos entrevistados consideram essa como a prática mais suscetível para o vazamento de dados.

Diante disso, é preciso tomar medidas para minimizar esses riscos. Segundo a professora Roberta Salvático, responsável pela disciplina "Tecnologia e Proteção: LGPD e Marco Civil da Internet" nos cursos de pós-graduação do Centro Universitário Newton Paiva , além de buscar sites seguros, é importante evitar o salvamento de dados como número do cartão de crédito ou CPF na hora do pagamento. "Muitas pessoas recorrem a essa função pela comodidade, mas ela pode fazer com que o consumidor perca o controle sobre suas compras ou até facilitar que ele seja vítima de fraudes ou vazamentos", explica.

Além disso, Roberta recomenda desabilitar o cartão físico para compras online e dar preferência para a versão virtual. "Eles são gerados pelos aplicativos de internet banking, por isso têm seus números e códigos de segurança alterados constantemente, o que oferece mais proteção ao consumidor", alerta Roberta, que também chama a atenção para a importância de habilitar a função de compras no exterior somente em casos de viagem internacional.

Navegação também oferece riscos
De acordo com a pesquisa, a segunda atividade que mais deixa os usuários vulneráveis na internet é a navegação em sites em geral. Nesse sentido, Roberta recomenda escolher um bom antivírus e evitar usar redes Wi-fi desconhecidas e públicas, pois invasores de dados costumam se aproveitar da fragilidade na rede para invadir dispositivos.

Outro risco significativo é resultante dos sites falsos, muitas vezes compartilhados pelo WhatsApp. "Muitos dados pessoais são roubados dessa forma. Os invasores criam sites semelhantes aos verdadeiros. Sem saber que foi direcionado para uma página falsa, o internauta acaba fazendo transações no internet banking e expondo seus dados", explica Roberta.

Também é importante tomar cuidado com os aplicativos. Trocar as senhas frequentemente e ativar a verificação em duas etapas são medidas que oferecem uma proteção extra. "As próprias ferramentas apresentam muitas alternativas de segurança, mas a principal dica para quem quer preservar seus dados e navegar de forma segura é criar o hábito de desconfiar sempre", finaliza

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte