Cidades | Centro movimentado

Rua Grande começa a ser tomada por consumidores natalinos

As pessoas já estão à procura de presentes de Natal e a tendência neste período do ano é ampliar o consumo, motivado principalmente pelo pagamento do décimo terceiro salário
02/12/2020
Rua Grande começa a ser tomada por consumidores natalinosComércio popular da Rua Grande já está ficando mais acirrado com a chegada do período de festas (De Jesus / O ESTADO)

São Luís - O período natalino é um dos mais esperados pelo comércio. Nesta época do ano os trabalhadores recebem o décimo terceiro salário e há maior tendência de ampliação no consumo e presentear familiares e amigos. A Rua Grande, que é considerada o maior centro comercial de São Luís, já começou a ser tomada por consumidores sedentos pelas compras de Natal.

As pessoas já começaram a circular nesse ponto da cidade, em busca de roupas e calçados. A técnica de enfermagem Ana Paula Silva, de 34 anos, disse que, como recebeu a primeira parcela do décimo terceiro, resolveu adiantar alguns presentes de Natal. “Tenho meus afilhados e outros parentes, então compro logo uma parte dos presentes com o dinheiro do décimo”, frisou Ana Paula.

A comerciante Márcia Rego, de 35 anos, declarou que foi à Rua Grande com o objetivo de comprar o presente dos filhos e com a esperança de encontrar preços mais em conta. “Geralmente, compro os presentes das crianças nos primeiros dias do mês de dezembro, pois, na véspera do Natal, encontramos preços altos”, explicou.

Antônio Mendes, de 39 anos, que trabalha em uma loja de roupas, contou que durante o mês de dezembro as vendas aumentam bastante e a jornada de trabalho também. “Este mês, o comerciante trabalha em dobro e, na maioria das vezes, com bons lucros”, disse o vendedor.

Trânsito
As pessoas que vão ao centro da cidade nessa época do ano, enfrentam o trânsito engarrafado e a falta de estacionamento. Muitos condutores optam por pagar uma vaga em estacionamentos privados, enquanto outros estacionam o veículo em cima das calçadas, sob o risco de serem multados por agentes da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT).

O policial militar Cristiano Santos, de 34 anos, disse que geralmente quando vai ao centro da cidade paga por uma vaga em um estacionamento privado. “É melhor deixar o seu carro em um estacionamento privado para que não possa sofrer algum tipo de dano ou até mesmo arrombamento”, declarou o militar.

Patrícia Thalita Rocha, de 32 anos, contou que durante época festiva, prefere deixar o carro em casa quando vai ao Centro. “Sei que no período festivo o trânsito no centro da cidade, principalmente, nas proximidades da Rua Grande, fica conturbado. Muito engarrafado e difícil de encontrar um ponto para estacionar o carro, então venho de ônibus ou táxi”, disse.

O Estado entrou em contato com a Prefeitura de São Luís para saber se a SMTT vai realizar alguma ação nesse período do ano, na área do centro da cidade, a fim de controlar o trânsito, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.

O Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (Detran-MA) informou que durante o período natalino vai seguir com o trabalho de cunho educativo nas vias públicas, bares, locais públicos e realizando barreiras de forma geral levando informações de um trânsito mais seguro.

Um desses trabalhos é a Operação Lei Seca, que conta com o apoio do Batalhão da Polícia Militar Rodoviária (BPRV). Uma das ações dessa operação, ocorrida no penúltimo final de semana do mês passado, na Grande Ilha, resultou em 296 abordagens a veículos e 265 testes com o etilômetro. Houve 31 recusas ao teste, e 10 autuações a condutores que dirigiam sob efeito de álcool.

O Detran também vai realizar os projetos Se liga na Via, Detran em Ação, Direção Certa, Somos todos pedestres e outros. As ações visam educar tanto o condutor quanto o pedestre para que possa ter um trânsito mais seguro e evitar acidentes nas vias da Região Metropolitana de São Luís.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte