Polícia | Feminicídio

Acusado de estrangular a ex-companheira é levado para o presídio

Vítima, de 22 anos, foi assassinada por estrangulamento dentro de casa, em Vitória do Mearim, e Anilton Sodré, acusado pelo crime, foi preso em Penalva
Ismael Araújo / O Estado 04/06/2020
Acusado de estrangular a ex-companheira é levado para o presídioFranciane Silva Andrade, 22 anos, segundo a polícia, foi assassinada pelo ex-companheiro, Anilton Sodré (Divulgação)

SÃO LUÍS - Anilton Sodré, que é acusado de ter estrangulado a ex-companheira Franciane Silva Andrade, de 22 anos, já está custodiado desde ontem na Unidade Prisional de Viana à disposição do Poder Judiciário. De acordo com a polícia, a vítima foi encontrada morta em sua residência, no povoado Alto do São Francisco, em Vitória do Mearim, na última segunda-feira, 1.

Somente neste ano, a polícia já registrou 25 feminicídios no Maranhão. Entre os casos, 16 ocorreram durante o período de pandemia da Covid-19, o novo coronavírus, segundo os dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O assassinato de Franciane Silva está sendo investigado pela equipe da Polícia Civil de Vitória do Mearim. O delegado João Firmo declarou que o corpo da vítima foi encontrado por populares e havia sinais de esganadura. A polícia foi acionada e ficou sabendo que Franciane Silva tinha conhecido Anilton Sodré por meio da rede social, teve uma relação amorosa com ele, mas eles estavam separados há alguns meses.

A polícia, com base nos depoimentos da família e amigos como ainda de provas materiais, acabou solicitando o mandado de prisão em desfavor de Anilton Sodré ao Poder Judiciário. “O acusado, antes de fugir, chegou a confessar a autoria do crime”, frisou o delegado.

Incursões

De posse da ordem de prisão, os policiais começaram a realizar incursões no interior do estado. Na terça-feira, 2, a polícia fez algumas buscas no povoado Faveira, zona rural de Viana, com o objetivo de prender o criminoso, mas não obteve sucesso.

Os policiais ainda realizaram abordagens em outras cidades da Baixada Maranhense, mas ficaram sabendo que o acusado havia se entregado no quartel da Polícia Militar de Penalva. Em seguida, o detido foi apresentado na Delegacia Regional de Viana, onde prestou esclarecimento sobre o caso.
Ontem, ele foi encaminhado para a unidade prisional. A Polícia Civil ainda está no aguardo de resultado de exames periciais realizados pelos peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) e tem 10 dias para encaminhar o inquérito para a Justiça.

Foragido

A polícia informou que até o período da tarde de ontem não havia conseguido prender o acusado de ter matado por estrangulamento Joana Maria Diniz, de 66 anos. A vítima era vizinha do acusado e residia sozinha em uma residência localizada no Residencial Recanto dos Signos, na área da Cidade Operária.

Na manhã do último dia 26, o suspeito discutiu com a irmã, nome não revelado, e, em seguida, pulou para o quintal da idosa onde realizou o ato criminoso. O corpo da vítima foi encontrado somente no período da noite pelos vizinhos e havia um pano no pescoço dela. O caso está sendo investigado pela equipe do Departamento de Feminicídio, órgão da Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoas (SHPP).

Achado

Os militares encontraram ontem morto Andreilson dos Reis da Silva, de 20 anos, na cidade de Alto Alegre do Maranhão. A vítima estava com as pernas, os pés e as mãos amarradas como ainda havia marcas de golpes de arma branca por várias partes do corpo. Há informações de que a vítima tinha passagem pela polícia pelo crime de arrombamento.

Saiba mais

Os casos de feminicídio que ocorreram durante este ano no estado foram nas cidades de São Luís, Imperatriz, Maracaçumé, Buriticupu, Coroatá, São Luís Gonzaga, Timbiras, São José de Ribamar, Caxias, Lago da Pedra, Governador Edison Lobão, Itapecuru, Brejo, Pinheiro, Timon, Carolina, João Lisboa, Presidente Dutra, Palmeirândia, Santa Inês, Santa Helena, São João do Paraíso e Vitória do Mearim.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte