Estado Maior | COLUNA

Nova estratégia

26/11/2019

Ao que tudo indica, os membros do PCdoB do Maranhão entenderam que o caminho das críticas e desqualificação do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não seria o mais correto para levar Flávio Dino ao posto de candidato à Presidência da República em 2022. Os comunistas parecem fazer o contrário do que fizeram desde a saída de Lula da cadeia. No lugar das críticas, demonstração da importância do apoio do ex-presidente.
E por coincidência, a Folha de São Paulo e a Veja online trouxeram informações que relacionam o PCdoB de Flávio Dino com o PT de Lula. O jornal veio com a informação (que pode ter sido intermediada pela Informe, claro) de que o pré-candidato do PCdoB a Prefeitura de São Luís, Rubens Júnior, terá o apoio petista.
A informação desconsiderou até o que defendem os petistas maranhenses que é a tese de candidatura própria.
E parece que a Informe andou também “informando” a revista Veja sobre uma provável filiação de Flávio Dino ao Partido dos Trabalhadores. Segundo o site, somente assim Dino poderia ser uma opção, em 2022, para disputar o Palácio do Planalto.
Duas notícias que vão exatamente na contramão do que disse o irmão do governador, o advogado Sálvio Júnior, e também o deputado federal Márcio Jerry, sobre a importância do PT e de Lula em “passar o bastão” para outras lideranças da esquerda. As críticas foram recebidas muito mal pelo ex-presidente e também pela cúpula do PT.
E Dino, assim como fez em 2018 quando defendeu que o PT deveria apoiar Ciro Gomes devido à inelegibilidade de Lula, agora usa outra estratégia e quer reaproximação.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte