Cidades | TRANSPORTE PÚBLICO

Rodoviários alcançam reajuste salarial de 7%, em audiência

Integralidade do plano de saúde e odontológico e a permanência do cobrador no sistema também ficaram garantidas; pelo menos este ano, a Prefeitura já afirmou que não haverá aumento de passagens de ônibus
IGOR LINHARES / O ESTADO20/12/2018
Rodoviários alcançam reajuste salarial de 7%, em audiênciaConciliação aconteceu ontem e encerrada possibilidade de greve de rodoviários (Biné Morais / O ESTADO)

Após quatro meses de impasse entre rodoviários e patrões, ficou estabelecido, durante audiência na sede do Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região (TRT-MA), na manhã de ontem (19), o reajuste salarial de 7% da nova Convenção Coletiva de Trabalho para os empregados - que entrará em vigor a partir de janeiro -, a mesma percentagem de aumento no tíquete-alimentação, além de garantia integral do plano de saúde e odontológico e a permanência do cobrador no sistema.

As reivindicações do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de São Luís (Sttrema) tinham como exigência 12% de reajuste, no começo do processo, que se arrastou por cerca de 120 dias. Da data inicial até a decisão firmada ontem, várias reuniões, assembleias e rodadas de conciliação entre as classes foram realizadas, mas nenhuma delas exitosa, já que a proposta feita pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís (SET) estava abaixo do solicitado.

A audiência, que decidiu por atender, ainda que não em sua totalidade, a categoria dos rodoviários, foi resultado de mais uma das dezenas de reuniões em que se debateu medidas conciliatórias, a fim de evitar greve no serviço de transporte coletivo na capital, que ficou ameaçado ao longo do processo e sofreu paralisação de advertência no mês de outubro, quando os patrões mostraram-se irredutíveis diante das condições estabelecidas pelos empregados.

Reunião ocorrida no último dia 17 apresentou propostas que precisavam ser repassadas aos demais integrantes das categorias representadas no encontro. Neste sentido é que houve a audiência de ontem, mediada pelo desembargador Gerson de Oliveira, que tomou a frente das discussões após anúncio de movimento grevista de rodoviários, que cogitou-se iniciar às 0h do mesmo dia - possibilidade que preocupou os usuários uma vez que os ônibus são o principal meio de transporte de cerca de 700 mil habitantes em São Luís.

Após a audiência decisória, à assessoria de comunicação do Sttrema, o presidente do órgão, Isaías Castelo Branco, avaliou todo o processo e direcionou o sucesso das reivindicações dos sindicalizados ao TRT-MA. “Saímos desta audiência com a sensação de dever cumprido. Depois de mais de 120 dias em intensas negociações, conseguimos garantir à nossa categoria, 7% de reajuste salarial e em cima do tíquete-alimentação; a garantia integral dos planos de saúde e odontológico aos trabalhadores e a permanência da função de cobrador no sistema. O avanço nas negociações só foi possível graças ao empenho e eficiência do desembargador Gerson de Oliveira”.

Possível reajuste
De acordo com entrevista do superintendente do SET, Luís Cláudio Siqueira, veiculada em O Estado no dia 31 de outubro, o reajuste exigido pelos motoristas, cobradores de ônibus e fiscais só seria possível com o aumento de 30% no valor da passagem nos ônibus, que passaria a custar R$ 4,00. A constatação, de acordo com os empresários do setor de transporte da capital, tinha como base os custos com folhas de pagamento, gratuidades e manutenção da frota de veículos.

Tal como, o presidente do SET também disse, à época, que, por causa da licitação do sistema de transporte público - consolidada pela Prefeitura em 2016 - a cada mês de setembro os valores das tarifas precisam ser reajustados, com base em índices como inflação e outros fatores. “Estamos esperando desde setembro, que a Prefeitura modique estes valores que, atualmente, já estão com defasagem”, disse Gilson Neto.

Já o titular da Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte (SMTT), Canindé Barros, que não quis falar com O Estado durante audiência realizada ontem, afirmou, em reportagem veiculada no último dia 18, que não haverá reajuste no tarifário este ano. “Independentemente do resultado das audiências, não repassaremos reajustes aos usuários de transporte público”, destacou.

Em suas redes sociais, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior já havia informado, durante as negociações entre rodoviários e patrões, que não haveria reajuste de passagens este ano.

EXIGÊNCIAS GARANTIDAS

- Reajuste salarial de 7%
- Aumento do tíquete-alimentação em 7%
- Manutenção dos demais benefícios, como planos de saúde e odontológico
- Permanência da função de cobrador

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte