Cidades | Abandono

Antiga morada do escritor Aluísio Azevedo está se deteriorando

Localizado na Rua do Sol, no centro da cidade, imóvel vem se desgastando com a falta de conservação; casarão abandonado está sub judice desde 2014
20/04/2016

SÃO LUÍS - A antiga morada do escritor maranhense Aluí­sio Azevedo se deteriora com o passar do tempo. Ontem, o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão (IHGM) voltou a chamar atenção para a situação do imóvel, que foi a casa de um dos maiores nomes da literatura maranhense e brasileira.

Localizado na Rua do Sol, nº 567, no centro da cidade, a cada dia o imóvel cede por falta de conservação. Ele já foi invadido algumas vezes, o que fez com que a porta e as janelas fossem escoradas com pedaços de madeira, para evitar novas invasões. Atualmente, o telhado está com diversas telhas quebradas, muitos azulejos que compõem a fachada foram furtados e o que sobra são as rachaduras e infiltrações, que tornam frágil a estrutura do casarão.

Abandono
Em 2014, o IHGM denunciou a situação do imóvel onde morou o escritor. Na época, o instituto desenvolveu uma ampla campanha para chamar a atenção da sociedade e do poder público para a conservação do imóvel, que havia sido vendido e o novo proprietário estava fazendo uma obra para transformar o espaço em um estacionamento. Com a denúncia, o Ministério Público entrou na Justiça com uma Ação Civil Pública, e as obras foram paralisadas. Desde então, nada mais foi feito pelo casarão, que se deteriora dia a dia.

A maioria das pessoas que passa pela Rua do Sol não imagina que nesse casarão morou Aluísio Azevedo e no qual ele escreveu “O Mulato”, uma das principais obras da literatura brasileira. Passando pelo local, os transeuntes apenas se deparam com a imagem de um casarão velho, igual a centenas de outros que existem no Centro Histórico da cidade.

O guia turístico Ubiratam Melo lamentou a situação do abandono dos imóveis do Centro Histórico, que na opinião dele deveriam ser mais preservados pelo poder público. “O turista que vem para o Centro Histórico encontra os casarões abandonados e fica triste. O nosso patrimônio é muito bonito, mas tem esse lado também”, disse.

Justiça
A situação do imóvel está hoje na Justiça. O imóvel foi adquirido por Bianca Silveira em 2007 e é tombado pelo Estado do Maranhão por meio do Decreto n°10.089/86. Em março de 2014, o Ministério Público (MP) ingressou na Vara de Interesses Difusos e Coletivos com uma Ação Civil Pública que tem como objeto esse casarão.

Em julho de 2014, o juiz Clésio Coelho Cunha, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, determinou que a proprietária do casarão onde viveu o escritor maranhense adotasse medidas de escoramento, limpeza e conservação do casarão. Foi dado um prazo de 48 horas para o início das obras. Em caso de descumprimento, a responsável pelo casarão seria penalizada. E por isso foram bloqueados os bens da proprietária do imóvel e aplicada multa de R$ 10 mil.

Após a aplicação da multa, aconteceram outras audiências. A ré no processo apresentou as suas alegações sobre o caso, e o juiz Douglas de Melo Martins, que voltou a responder pela Vara, determinará a sentença a ser dada para esse caso.

SAIBA MAIS

Laudos de vistoria do Departamento do Patrimônio Histórico, Artístico e Paisagístico da Secretaria de Estado da Cultura feitos na época mostraram que foram realizadas demolições e alterações ilegais nas características arquitetônicas do imóvel, descaracterizando o prédio com a construção de laje na parte posterior do terreno, demolição da parte externa, além da retirada de forros e piso
de madeira.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte