Alternativo | Estudo

Infográfico mostra como Hollywood ignora a diversidade

O estudo realizado pela A2ad analisou as maiores bilheterias dos últimos 15 anos e demonstra a supremacia de brancos e homens na indústria do cinema
01/03/2016 às 11h48

Marcado pela polêmica da falta de artistas negros entre os indicados, a cerimônia de entrega do Oscar 2016 aconteceu nesse último domingo, 28. A 88ª premiação da Academia Americana de Cinema evidenciou as questões não só da representatividade dos negros, mas de todas as minorias na maior indústria cinematográfica do mundo. Entre os 20 concorrentes a melhor ator e atriz (principal e coadjuvante) não houve um negro, asiático ou latino, parcelas expressivas da população americana.

A área de Business Intelligence (BI) da A2ad foi além da polêmica de #OscarSoWhite e avaliou as 20 maiores bilheterias de cada ano nos últimos 15 anos para entender se a produção cinematográfica de Hollywood reflete a falta de representatividade das minorias nas premiações de destaque. Esse estudo deu origem ao infográfico que você confere agora.

O estudo evidencia como etnia e gênero estão mal representados em Hollywood. Entre os filmes analisados, por exemplo, apenas 2% deles tem uma dupla de atores negros nos papeis principais e coadjuvantes. Desses, apenas 1 mulher negra ocupa a posição de destaque como atriz principal: a cantora Beyoncé em DreamGirls (2006), papel que pode ter sido garantido pelo fato de a artista já contar com fama mundial e, na produção, representar também uma cantora.

Outro dado impactante apresentado pelo estudo da A2ad é o fato do ator Will Smith ser o campeão de bilheteria em filmes como ator principal, com arrecadação de quase U$ 1.6 bilhões, mesmo em meio à maioria de atores principais brancos.

Confira essas e muitas outras curiosidades desse estudo que mostra o quanto a indústria americana de cinema ainda precisa caminhar pra representar de forma real a sociedade.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte