Geral | Busca incessante

Força-tarefa restringe áreas de buscas na tentativa de achar ultraleve desaparecido

Aeronáutica informou que, a partir de agora, os trabalhos serão focados nas regiões de Bacabeira e Alcântara
O Estado Online12/02/2016 às 18h36
Força-tarefa restringe áreas de buscas na tentativa de achar ultraleve desaparecido  Avião da FAB, do modelo C-105, está participando das buscas (Divulgação / FAB)

SÃO LUÍS - Após buscas incessantes, uma força-tarefa – comandada pela aeronáutica -, segue tentado encontrar respostas para o desaparecimento do ultraleve, que era tripulado pelos advogados José do Vale Filho, 56 anos, que estava pilotando, e o amigo, Júlio César de Morais. Na madrugada desta sexta-feira, foi encontrada parte do trem de pouso. Antes, havia sido achada parte da cauda. O comandante do Destacamento de Controle de Espaço Aéreo (DTCEA), Fernando Curvo, informou que, a partir de agora, algumas áreas serão descartadas e os trabalhos ficarão focados nas regiões de Bacabeira e Alcântara.

A aeronave, do modelo anfíbio Seanmax, decolou, às 16h30 desta terça-feira(9), do município de Arari com destino a São Luís. Antes de perderem contato, os dois advogados falaram com familiares, e um deles afirmou que as condições do tempo não eram boas no momento do voo.

“Estamos intensificando cada vez mais as buscas. E como já estamos com muitas áreas vasculhadas, descartamos alguns locais. Os trabalhos estarão focados, a partir de agora, nas regiões de Bacabeira e Alcântara, prováveis trajetos da aeronave. Continuamos fazendo buscas por terra, água e ar”, explicou Fernando Curvo.

O comandante salientou também a necessidade da colaboração das comunidades que moram nestas regiões. “Pedimos que, caso alguém encontre algum objeto que possa ser deste ultraleve, se possível, bata uma foto do local do achado e não limpe a peça. Estes detalhes são muito importantes para nós. Estes achados podem ser entregues no Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos ou até mesmo no aeroporto de São Luís. Se a pessoa não puder entregar é só entrar em contato com a gente que nós mandamos uma equipe para pegar esse material”, explicou.

As buscas estão sendo realizadas pela Força Aérea Brasileira (FAB), em parceria com o Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos do Maranhão, Centro Tático Aéreo (CTA) e pelas polícias Militar e Civil. Helicópteros, um avião, e embarcações estão sendo usados nos trabalhos. Mergulhadores também fazem a procura.

Os destroços da aeronave serão levados para o Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), no Pará.

SERVIÇO

Locais para entrega de achados: Capitania dos Portos (Centro Histórico) / Corpo de Bombeiros (Bacanga) e Aeroporto de São Luís (Tirirical).

Telefone: 4009- 4312 (Destacamento de Controle de Espaço Aéreo)

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte