Superação

Após campanha, maranhense que vive na Espanha consegue doação de medula óssea

O Estado Online mostrou, no ano passado, história de Elys Carvalhêdo, de 28 anos, diagnosticada com Aplasia Medular, doença rara
Poliana Ribeiro/O Estado Online18/01/2016 às 10h21
Após transplante, Elys Carvalhêdo está se recuperando (Elys Carvalhêdo)

O ano de 2016 marca o início de uma nova vida para a jovem maranhense Elys Carvalhêdo, de 28 anos. A maranhense, que mora há oito anos com a mãe na Espanha, conseguiu o que parecia impossível: um transplante de medula óssea para curar a Aplasia Medular, doença que acomete 1 em cada 1 milhão de indivíduos, causando interrupção na produção de células sanguíneas e podendo levar à morte.

Em agosto do ano passado, O Estado Online mostrou a mobilização que a família da jovem estava fazendo para conseguir mais doadores de medula óssea. No início deste mês, a prima de Elys, Tissiana Carvalhêdo postou em sua página no Facebook a notícia de que a jovem que cursava Medicina estava curada da doença. “Agradeço a todos os familiares, amigos e conhecidos que foram solidários à causa de Elys Carvalhêdo, minha prima que estava na fila de espera pelo transplante de Medula Óssea. Contrariando as estatísticas, ela conseguiu um doador compatível (a identidade do mesmo ainda está sendo preservada, só sabemos que é de nacionalidade brasileira), realizou o transplante e está se recuperando, cheia de vida e esperança! Muitas pessoas nos procuraram para saber como poderiam se candidatar à doação; outros ajudaram na imprensa, distribuindo releases e promovendo campanhas; outros fizeram campanhas no corpo a corpo, recrutando pessoas para o teste voluntário de compatibilidade; muitos se uniram para orações, abraços e torcida!! Enfim, vencemos juntos mais uma batalha. Pude ver como a solidariedade tem uma força tremenda no universo. Somos mais fortes juntos. Agradeço a Deus, à minha família e amigos! Elys, viva plenamente sua nova vida. Feliz 2016!!”, diz o post.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o número de doadores voluntários tem aumentado expressivamente nos últimos anos. Em 2000, existiam apenas 12 mil inscritos. Naquele ano, dos transplantes de medula realizados, apenas 10% dos doadores eram brasileiros localizados no REDOME. Em 2014, havia 3,500 milhões de doadores inscritos e o percentual subiu para 70%. O Brasil tornou-se o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo, ficando atrás apenas dos dos Estados Unidos (quase 7 milhões de doadores) e da Alemanha (quase 5 milhões de doadores).

Passo a passo para se tornar um doador:

- Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde poderá doar medula óssea. Esta é retirada do interior de ossos da bacia, por meio de punções, sob anestesia, e se recompõe em apenas 15 dias.

- Os doadores preenchem um formulário com dados pessoais e é coletada uma amostra de sangue com 5 a 10ml para testes. Estes testes determinam as características genéticas que são necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente.

- Os dados pessoais e os resultados dos testes são armazenados em um sistema informatizado que realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante.

- Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é então chamado para exames complementares e para realizar a doação.

- Tudo seria muito simples e fácil, se não fosse o problema da compatibilidade entre as células do doador e do receptor. A chance de encontrar uma medula compatível é, em média, de uma em 100 mil

- Por isso, são organizados Registros de Doadores Voluntários de Medula Óssea, cuja função é cadastrar pessoas dispostas a doar. Quando um paciente necessita de transplante e não possui um doador na família, esse cadastro é consultado. Se for encontrado um doador compatível, ele será convidado a fazer a doação.

- Para o doador, a doação será apenas um incômodo passageiro. Para o doente, será a diferença entre a vida e a morte.

- A doação de medula óssea é um gesto de solidariedade e de amor ao próximo.

- É muito importante que sejam mantidos atualizados os dados cadastrais para facilitar e agilizar a chamada do doador no momento exato.

Fonte: INCA

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte