Justiça com as próprias mãos

População tenta linchar assaltante em São Luís dois dias depois de barbárie

Populares espancaram Alisson Bruno após tentativa frustrada de roubo de motocicleta no Maiobão
08/07/2015 às 16h59
Alisson Bruno da Costa, de 19 anos, escapou da morte por causa da polícia (linchamento)

Dois dias depois de um homem ser linchado até a morte no São Cristóvão, fato que repercutiu em quase todo país, por causa das cenas do corpo do assaltante sem roupa amarrado em porte todo ensanguentado, a barbárie quase se repete em São Luís. No início da tarde desta quarta-feira, Alisson Bruno da Costa, 19 anos, conhecido como Xalau, tentou roubar uma moto no Maiobão e, após ser pego pela população, quase repetiu a história do dia anterior. Isso porque a polícia chegou na hora e evitou a morte dele.

Bruno abordou uma senhora, na Avenida 10 do bairro, e roubou a motocicleta, mas, como não conseguiu ligar o veículo, saiu correndo e foi apanhado por populares próximo ao Viva Maiobão. A população foi interrompida por policiais que passavam no local na hora do linchamento.

O assaltante, não estava armado durante a ação criminosa, apenas com uma mochila. Ele foi encaminhado para a Delegacia Especial do Maiobão e, de lá, para o Centro de Triagem do Pedrinhas.

Repercussão – As imagens do fotografo de O Estado, Biné Morais, ganharam o país após ele registrar o assaltante Cleidenilson Pereira da Silva, de 29 anos, amarrado morto em um poste, com o corpo ensanguentado. Ele, junto com um menor de idade, tentou praticar um assalto no São Cristóvão e foi pego pela população.

As fotos ganharam tanta repercussão, que jornais de grande circulação nacional como o Extra (Rio de Janeiro) e o Estadão (São Paulo) - sem contar sites da revista Veja, EBC, revista Carta Capital e Globo.com -, publicaram as imagens e abriram debate sobre o fato.

Em Brasília, o deputado pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys (PSOL), também fez um comentário em uma rede social sobre o linchamento em São Luís. O parlamentar tachou o fato como linchamento feito por “psicopatas”.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte