Chapadinha

MPMA requer recuperação de instalações sanitárias do Centro de Detenção Provisória

Tratamento inadequado dos dejetos pode causar problemas de saúde para os internos sob custódia do Estado e comprometer a qualidade dos serviços prestados
15/05/2015 às 17h04

O Ministério Público do Maranhão, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Chapadinha, ingressou com Ação Civil Pública contra o Estado do Maranhão por causa da estrutura do Centro de Detenção Provisória (CDP) do município. A ação requer, em caráter liminar, a recuperação das instalações sanitárias do CDP.

De acordo com Douglas Assunção Nojosa, titular da promotoria, foi realizada vistoria nas imediações do centro de detenção. No local, verificou-se o lançamento de resíduos fecais e água contaminada em vias públicas, colocando em risco de infecção os moradores e pessoas que passam pela região.

O promotor de justiça ressalta que o tratamento inadequado dos dejetos pode causar problemas de saúde para os internos sob custódia do Estado e comprometer a qualidade dos serviços prestados pelos funcionários do presídio.

O diretor do CDP de Chapadinha, Carlos de Assis Moreira Castelo Branco, afirmou que não poderia tomar providência em relação ao caso, pois a competência é da Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária do Maranhão (Sejap/MA). Em março deste ano, a promotoria enviou ao secretário da Sejap um ofício pedindo a adoção de medidas para solucionar o problema, que ainda persiste.

O MPMA pede, liminarmente, que o Estado do Maranhão recupere, no prazo de sete dias, as instalações do Centro de Detenção Provisória de Chapadinha e utilize de forma devida os recursos financeiros necessários para a execução de obras emergenciais.

A ACP requer a recuperação das instalações e adoção das providências necessárias para cumprimento das decisões judiciais após o julgamento e, ainda, condenação ao pagamento de multa diária no valor de R$ 10 mil em caso de descumprimento da liminar.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte